Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Eventos > [ON-LINE] Seminário “Diálogos insubmissos: memórias do extremo sul” 
Início do conteúdo da página

[ON-LINE] Seminário “Diálogos insubmissos: memórias do extremo sul” 

Escrito por Heleno Rocha Nazário | Publicado: Segunda, 30 de Novembro de 2020, 11h07 | Última atualização em Segunda, 30 de Novembro de 2020, 11h43 | Acessos: 737

Insta 2O quê: Seminário “Diálogos insubmissos: memórias do extremo sul” 

Quando: 08 de dezembro de 2020, 14 horas 

Inscrições: https://sig.ufsb.edu.br/eventos/public/evento/DIMES2020 (certificado de 2 horas) 

Evento online: https://youtu.be/N0RLKIi8mb0

 

 

O seminário “Diálogos insubmissos” inaugura as atividades do Núcleo de Referências Antirracistas Maria da Conceição (NUAMC) do Campus Paulo Freire da Universidade Federal do Sul da Bahia. Como tema motriz para o início dos trabalhos do Núcleo, o evento abordará as “Memórias do extremo sul”.

No dizer de Conceição Evaristo em Insubmissas Lágrimas de Mulheres, as histórias que narramos “não são totalmente” nossas; elas “quase que nos pertencem, na medida em que às vezes se confundem” com as de cada um e cada uma de nós. A romancista mineira se questiona para em seguida responder: “as histórias não são inventadas? Mesmo as reais, quando são contadas”. E arremata a partir de uma síntese poética que pode ser resumida da seguinte forma: é a partir do que se perde entre o “acontecimento e a narração” que se acrescentam os elementos novos que tornam as nossas memórias vivas e sãs.

Para compor essa colcha de retalhos de memórias convidamos três palestrantes: Fabya Reis, Secretária de Promoção da Igualdade Racial do Governo do Estado da Bahia (SEPROMI); Juliana Krull, estudante de Fisioterapia (Pitágoras) e ABI (UFSB), membro da Associação Quilombola de Helvécia; e Gean Paulo Santana, professor da UNEB, pesquisador das poéticas negras do corpo e da literatura.

Assim, é com imensa alegria que convidados a todos e a todas para celebrar conosco a abertura pública dos trabalhos do NUAMC, certos de que os tempos que virão serão frutíferos para a centralidade das questões raciais no nosso território de vida e trabalho, o extremo sul da Bahia.

registrado em:
Fim do conteúdo da página