Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > UFSB Ciência > Dissertação do PPGER debate como Gravidez na adolescência pode ser abordada nas aulas de geografia
Início do conteúdo da página

Dissertação do PPGER debate como Gravidez na adolescência pode ser abordada nas aulas de geografia

Publicado: Segunda, 20 de Maio de 2024, 11h04 | Última atualização em Segunda, 20 de Maio de 2024, 11h24 | Acessos: 223

Abordar o tema da gravidez na adolescência nas aulas de geografia ajuda a contextualizar esse fenômeno e também a preveni-lo no ambiente escolar, como aponta a mestra pelo programa de pós-Graduação em ensino e relações étnico-raciais da Universidade Federal do Sul da Bahia (PPGER/UFSB) Liziane Silva Rodrigues.

“O ensino de geografia pode contribuir porque a gravidez na adolescência não é apenas um problema de saúde pública, mas um fato social. Assim, é possível trabalhar o tema aliado aos marcadores sociais de gênero, raça e classe social”, justifica.

Autora da dissertação “Maternidade e Raça: um diálogo necessário para o ensino e a aprendizagem da geografia na rede pública de ensino”, ela criou uma sequência didática para ser aplicada com alunos do ensino fundamental II e aprofundada no ensino médio.

 “Quando buscamos compreender as causas e consequências da gravidez precoce, precisamos entender que existe uma conexão entre vários sistemas de opressão na sociedade – como raça, classe e gênero. Eles se relacionam entre si, sobrepõem-se e tendem a discriminar e excluir as meninas de diferentes formas”, acrescenta.

 

Marcadores sociais

Os dados de gravidez na adolescência no Brasil são considerados altos, apesar da redução de casos entre 2010 e 2021. Nesse período, segundo o Sistema de Informações sobre Nascidos Vivos (2021), a prevalência de mães entre 15 e 19 anos caiu de 18% para 13%. Dessas, no entanto, 73% eram meninas negras.

“Partindo do olhar geográfico, podemos trabalhar as questões de raça juntamente com a análise do lugar geográfico; da importância da valorização da identidade territorial, trabalhar com a cultura e o espaço social brasileiro; com a diversidade cultural, étnica e racial da população brasileira; e com os fatores que geram preconceito e racismo”, lista a docente.

Rodrigues explica que a concentração de adolescentes grávidas tanto no Brasil como em outros países subdesenvolvidos tende a ser maior nos bairros periféricos das cidades.

“São vários os fatores que levam as meninas que vivem em áreas periféricas a engravidar precocemente: pouca informação e acesso a métodos contraceptivos; baixa perspectiva em relação à escolaridade e à futura inserção no mercado de trabalho; muitas vivem em lares violentos, com o tráfico de drogas”, destaca.

No campo da demografia, ela e a turma estudaram temas como a relação entre problemas demográficos e gravidez na adolescência; como ela ocorre no Brasil e onde estão os maiores índices.

“Assim, podemos trabalhar nas aulas de geografia questões que envolvem a distribuição de renda no Brasil, por região e cidades; o processo de urbanização e a precarização das cidades; o centro e a periferia; o processo de favelização; a falta de moradia; entre outros”, orienta.

Para completar, sobre o marcador social de gênero, Rodrigues explica que as consequências de uma gravidez na adolescência atingem principalmente as meninas, podendo modificar o futuro e exclui-la de uma formação educacional e do mercado de trabalho.

 

Perguntas disparadoras

Rodrigues sugere que a reflexão dos alunos sobre as questões sociais que envolvem a gravidez na adolescência pode ser realizada na disciplina de geografia via aulas expositivas, vídeos, leituras coletivas, pesquisa dentro da comunidade escolar, teatro e discussões.

Nas conversas, ela sugere perguntas disparadoras, como: se a gravidez na adolescência é só um problema de saúde pública ou é também uma questão social que precisa ser discutida na escola?  O que leva uma jovem a engravidar na adolescência? Por que a maioria das meninas gestantes é negra (preta/parda) pobre e mora na periferia das cidades? Quais obstáculos poderão surgir para a realização dos sonhos das meninas que engravidam precocemente? De quem é a responsabilidade por uma gravidez na adolescência? Qual é o papel do menino-pai nessa situação? A realidade das meninas gestantes ricas é igual a das meninas gestantes pobres?

“Além disso, o que fazer para mudar essa realidade e ajudar essas meninas a continuarem estudando e a terem um futuro melhor?”, finaliza Rodrigues.

 

* Publicação realizada pelo Instituto Claro

registrado em:
Fim do conteúdo da página