Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Projetos
Início do conteúdo da página

Projetos de Pesquisa

Publicado: Sexta, 09 de Novembro de 2018, 13h02 | Última atualização em Terça, 22 de Dezembro de 2020, 23h59 | Acessos: 616

Desenvolvemos e atuamos em projetos de pesquisa associados aos demais laboratórios institcuionais da UFSB, além de parcerias com órgãos ambientais, empresas e sociedade civil. Os projetos visam o diagnóstico, compreensão e desenvolvimento de técnicas e métodos para a conservação dos recursos naturais costeiros utilizando geotecnologias. As atividades são organizadas com a participação de estudantes de graduação e pós-graduação e profissionais externos. Os projetos executados por esse laboratório são:

 

Nome: Estudos de viabilidade técnica para dragagem no estuário do Rio Buranhém

Período de realização: 2020 - 2021

Linha de pesquisa: Biomonitoramento. Geoprocessamento.

Descrição: Este estudo visa o levantamento de informações técnicas que subsidiem a tomada de decisão para implementação de um projeto de dragagem a ser realizada na Foz do Rio Buranhém no Município de Porto Seguro. levantamento de informações técnicas sobre o sedimento do Rio Buranhém para que venha a ser realizada posteriormente Este estudo de viabilidade técnica que se apresenta, visa o levantamento de informações necessárias quanto ao volume de material a ser dragado, assim como as respectivas propriedades físicas, químicas e geoquímicas do sedimento. estaca-se que serão necessárias outras informações complementares - não contempladas na presente proposta, que serão solicitadas pelo órgão licenciador em caso de interesse na realização da dragagem.

Equipe: Igor Emiliano Gomes Felipe; Elfany Reis do Nascimento Lopes; Micali Nuvoloni; Caio Vinícius Gabrig Turbay Rangel; Marcos Eduardo Cordeiro Bernardes (Responsável); Silvio Tarou Sasaki; Ângelo Teixeira Lemos; Andresa Oliva ; Pinheiro; Allison Gonçalves Silva; Juliana Pereira de Quadros.

Categoria: Projeto Interinstitucional com Prefeitura Municipal de Porto Seguro e Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do financiamento: R$ 737.669,94 (Auxílio financeiro + bolsa).

 

Nome: Morfodinâmica praial e evolução da linha de costa da região de Porto Seguro e adjacências.

Período de realização: 2018-2021.

Linha de Pesquisa: Geoprocessamento. Gerenciamento Costeiro. Oceanografia Física e Geológica.

Descrição: As praias do município de Porto Seguro vêm sofrendo processos erosivos nos últimos anos, evidenciados por inúmeros registros como o desmoronamento de parte da estrada BR367 no trecho da Ponta Grande, a exposição de raízes de castanheiras e coqueiros na praia e a destruição de barracas. Os processos erosivos ocorrem quando o balanço sedimentar é negativo, ou seja, a quantidade de sedimentos que sai do sistema é maior do que a que entra. A avaliação da variabilidade morfológica e do balanço sedimentar das praias é essencial para a compreensão e quantificação dos processos sedimentares e previsão de possíveis cenários futuros na evolução costeira. A presente proposta de trabalho tem o objetivo de avaliar a morfodinâmica praial e a evolução espaço-temporal de trechos da linha de costa dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, que são áreas onde este tipo de estudo é ausente. Para tanto, serão utilizadas duas metodologias complementares: o monitoramento praial, que se utiliza de dados diretos coletados in situ, e o geoprocessamento de imagens de satélite, que se baseia em dados indiretos. A zona costeira foco da presente proposta de estudo sofre influência antrópica associada ao uso e ocupação desordenados de espaços utilizados para atividades turísticas e de lazer, de forma que os impactos da erosão costeira caracterizam perdas não só ambientais, mas também socioeconômicas. A avaliação da morfodinâmica e da linha de costa aqui proposta oferece subsídios a relevantes discussões sobre vulnerabilidade erosiva e gestão ambiental da zona costeira na região sul da Bahia.

Equipe: Elfany Reis do Nascimento Lopes / Juliana Quadros / Tatiana adalto / Vinícius Jorge Santos / Italo Rezende.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do Financiamento: Financiamento de Bolsa (4800,00).

 

Nome: Programa de monitoramento da biodiversidade aquática: estudo e monitoramento da ictiofauna marinha e estuarina.

Período de realização: 2017- atual.

Linha de Pesquisa: Monitoramento Ambiental.

Descrição: Este projeto descreve o monitoramento dos efeitos da lama de rejeitos sobre diversos aspectos da ictiofauna e carcinofauna das regiões dulcícola, estuarina e costeira, adjacente à foz (incluindo áreas recifais). Além da morte causada diretamente pelo impacto da lama dos rejeitos de minério (asfixia, soterramento), vários são os efeitos esperados sobre a ictiofauna e carcinofauna, destacando-se: diminuição da abundância e biomassa das espécies, dominância de espécies resilientes na comunidade, inanição, alterações nos ciclos reprodutivos (época/local de desova), alterações no crescimento e recrutamento, substituição de espécies (aparecimento/desaparecimento), mudanças de hábitos alimentares (aparecimento/desparecimento de itens, diminuição de número de itens ingeridos, quantidade de alimento ingerida), piora da saúde (acúmulo de metais pelas espécies), etc. Estes efeitos diminuem ao longo do tempo e do espaço, conforme afasta-se do início e do epicentro do desastre. esta forma, pretende-se monitorar a ictiofauna e carcinofauna, abordando espacial e temporalmente, três principais aspectos: populações, comunidades, e relação das espécies com o hábitat. As populações deverão ser monitoradas ao longo do tempo quanto à ocorrência, abundância, biomassa e tamanho dos indivíduos. everão ser analisadas ainda a alimentação e ecologia trófica (origem do alimento, fontes de carbono, posição no nível trófico), reprodução e recrutamento. As comunidades deverão ser monitoradas quanto à riqueza, dominância e diversidade. Para se monitorar a relação das espécies com o hábitat, deverão ser monitoradas a utilização dos hábitats avaliados pelas espécies se lecionadas (telemetria e microquímica de otólitos), o fluxo de larvas/recrutas e adultos/juvenis de peixes entre o estuário e ambientes recifais adjacentes e os índices de integridade.

Equipe: Fabiana Cézar Félix Hackradt - Integrante / Carlos Werner Hackradt - Integrante / Helen Audrey Pichler - Integrante / Mauricio Hostim-Silva - Coordenador / Ciro Colodetti Vilar - Integrante / Joelson Musiello Fernandes - Integrante / Igor Emiliano Gomes Pinheiro - Integrante / juliana Beltramin e Biasi - Integrante / Aline Meira Bonfim Mantellatto - Integrante / Josde de Anchieta Cintra da Costa Nunes - Integrante.

Categoria: Projeto Interinstitucional com a Universidade Federal do Espírito Santo e CEUNES.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Espírito Santo.

Valor do Financiamento: R$ 2.000.000,00.

 

Nome: Avaliação dos impactos das manchas de óleo na Costa do Descobrimento.

Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Monitoramento Ambiental.

Descrição: Frente a todas as incertezas que permeiam o maior desastre ambiental em extensão já registrado na costa brasileira e dada a importância dos ecossistemas da Costa do Descobrimento, o objetivo principal desta proposta é integrar diferentes áreas de conhecimento a fim de implementar um plano de avaliação ambiental de 10 meses em três municípios da Costa do Descobrimento (Belmonte, Santa Cruz Cabrália e Porto Seguro). Os objetivos específicos desta proposta são: I. Avaliar as flutuações na abundância de organismos planctônicos; II. Avaliar a presença de petróleo na comunidade pelágica; III. Avaliar a sensibilidade de microcrustáceos planctônicos ao petróleo; IV. Avaliar a abundância e estrutura das assembleias de peixes recifais; V. Avaliar a cobertura bentônica do fundo de ambientes recifais; VI. Avaliar a composição e abundância de peixes em zonas rasas marinhas e estuarinas; VII. Avaliar a incorporação de óleo na teia trófica de zonas rasas a partir do conteúdo gastrointestinal de peixes; VIII. Estimar a deriva costeira e a correlacionar com o vento local e os modelos globais; IX. Avaliar a presença de hidrocarbonetos do petróleo no sedimento e em tecidos de organismos filtradores; X. Caracterizar os óleos encontrados nas praias de Porto Seguro; XI. Avaliar a vulnerabilidade dos ambientes praiais ao óleo; XII. Georreferenciar as ações de monitoramento.

Equipe: Igor Emiliano Gomes Pinheiro (coordenador), Ângelo Teixeira Lemos, Carlos Werner Hackradt, Catarina da Rocha Marcolin,  Juliana Pereira de Quadros, Leonardo Evangelista Moraes, Nadson Ressye Simões Da Silva e Silvio Tarou Sasaki.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do Financiamento: R$ 10000,00.

 

Nome: Fragmentação e conectividade da Mata Atlântica baseada em mudanças de uso da terra na Mesorregião Sul da Bahia

Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Monitoramento Ambiental. Geoprocessamento.

Descrição: O Estado da Bahia lidera o ranking de desmatamento da Mata Atlântica no Brasil. Dados indicam uma perda superior a quatro mil hectares de floresta em 2018, evidenciando a redução de áreas naturais e dos serviços ecossistêmicos. O projeto objetiva identificar a dinâmica espacial de fragmentação e potencial de conectividade florestal da Mata Atlântica na mesorregião Sul da Bahia, buscando a identificação de padrões de degradação do bioma em função das mudanças temporais de uso da terra entre 1985 a 2018 e sua possibilidade de conectividade em áreas de Porto Seguro. Será construído um banco de dados geográficos do monitoramento de uso da terra do Projeto Map Biomas e do Fórum Florestal da Bahia, realizando análises de transições e cálculos de perdas e ganhos por meio de tabulação cruzada e avaliação de mudança de uso da terra utilizando o software QGIS 3.12. Os fragmentos florestais serão analisados utilizando o complemento LecoS, a partir de análise de métricas da paisagem. Os fragmentos serão correlacionados com as características de altitude, declividade, proximidade da rede de drenagem e distância do sistema vário, a partir do Modelo Digital de Elevação do Sul da Bahia. A delimitação espacial e viabilidade do corredor ecológico entre o Campus Universitário Sosígenes Costa, a RPPN Estação Veracel e o Parque Nacional do Pau Brasil será realizada coma investigação de fatores ambientais e atribuição de pesos pelo processo de hierarquia analítica, álgebra de mapas e trabalho de campo. Espera-se identificar a dinâmica de fragmentação para o Sul da Bahia, suas taxas e delimitação espacial de ocorrência das perdas florestais, além da indicação espacial de um corredor ecológico que promova a interação entre os fragmentos florestais da UFSB e daqueles inseridos em unidades de conservação de Porto Seguro.

Equipe: Elfany Reis Lopes, Escarlett Arruda.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do Financiamento: Financiamento de Bolsa (4800,00).

 

Nome: Informação de base ecossistêmica para gestão costeira

Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Gerenciamento costeiro e Geoprocessamento.

Descrição:

A zona costeira de Porto Seguro abriga um mosaico de ecossistemas de alta relevância ambiental, destacando-se manguezais, restingas, praias, estuários, recifes de corais e outros ambientes importantes do ponto de vista ecológico, econômico e social. Ao mesmo tempo em que estes ecossistemas costeiros representam uma importante força propulsora do desenvolvimento do município, grande parte destes encontra-se fortemente pressionado pelo crescimento contínuo das atividades turísticas, imobiliárias e de outras formas de uso da terra. Tal fato, decorre da ineficiência de planos de gestão em considerar as interações entre os processos socioeconômicos e ecossistêmicos. Um princípio fundamental e amplamente reconhecido para o sucesso de ações de manejo em zonas costeiras é a Gestão Baseada em Ecossistemas (GBE). A necessidade inicial da GBE passa pela delimitação de fronteiras entre os ecossistemas e considerações a respeito da conexão entre eles. Outro ponto primordial é a identificação dos processos associados aos Serviços Ecossistêmicos (SEs) (i.e. bens tangíveis e intangíveis produzidos pelos ecossistemas, utilizados pela sociedade em busca do bem estar social) de cada ambiente. Neste contexto, a presente projeto visa trazer subsídios para a gestão costeira integrada no município de Porto Seguro, com base em uma perspectiva ecossistêmica. O objetivo principal é mapear os ecossistemas do município de Porto Seguro, assim como os do setor marinho adjacente e relacioná-los aos SEs oriundos desses ambientes. Para a elaboração das bases ecossistêmicas serão abordadas três etapas principais, são elas: a) inventário e mapeamento dos ecossistemas; b) elaboração da matriz de SEs; e c) definição dos SEs básicos para o bem-estar humano. A partir da implementação deste projeto será gerada uma base de dados que estabelecerá relações espaciais entre os ecossistemas e seus serviços, permitindo a realização de consultas quantitativas e qualitativas sobre a zona costeira de Porto Seguro. Assim, tal sistema de informação permitirá analisar o ambiente, considerando de maneira integrada os aspectos ecológicos e econômicos.

Equipe: Igor Pinheiro, Jamile Franca e Bruno Brauer.

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do Financiamento: Financiamento de Bolsa (4800,00).

 

Nome: A RESEX Baía do Iguape como prestadora de serviços ecossistêmicos no sequestro de carbono: mapeamento áreas com grandes depósitos de carbono.

 
Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Gerenciamento costeiro e Geoprocessamento.

Descrição:

 
Descrição: O ecossistema manguezal apresenta-se como potencial mitigador das emissões de gases do efeito estufa, sobretudo do CO². Mapear e estimar as concentrações de estoque/sequestro de carbono na fitomassa epígea criadas pelos serviços ecossistêmicos de regulação climática presentes no manguezal da Reserva Extrativista Baía do Iguape no município de Maragojipe/BA, Brasil A modelagem e mapeamento dos estoques de carbono no ecossistema manguezal da RESEX será feito por meio do software inVEST e com imagens satélites do banco de dados gratuito presente no site do Sistema Geológico Americano (USGS) com resolução espacial de 20 metros. Espera-se que ao final do projeto compreenda-se a dinâmica espacial de sequestro e estoque de carbono pelo manguezal da RESEX e como o uso dos recursos naturais e a expansão urbana afetam esse importante serviço ecossistêmico.

Equipe: Elfany Reis, Alessandra Caiafa e Joaquim Ornellas

Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.

Valor do Financiamento: Financiamento de Bolsa - Fundação de Amparo à Pesquisa da Bahia (FAPESB)

 

Nome: Arranjos intermunicipais para o consórcio público na gestão de resíduos sólidos no território da Costa do Descobrimento.

 
Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Resíduos Sólidos e Geoprocessamento.

Descrição: 

Descrição: Mesmo após a promulgação da Política Nacional de Resíduos (PNRS), dada pela Lei Nº 12.305 de 02 de agosto de 2010, muitos municípios enfrentam dificuldades para o cumprimento dos termos legais estabelecidos. Diante disso, o presente trabalho visa a proposição de arranjos intermunicipais para o consorciamento público na gestão de resíduos sólidos dos municípios do Território de Identidade da Costa do Descobrimento. A metodologia definida para a proposição dos arranjos consistirá da caracterização gravimétrica dos resíduos pela técnica do quarteamento, de estimativa populacional, prever a sua geração em horizonte de 20 anos, análise multicritério e a análise espacial para a priorização dos critérios a serem propostos para a definição dos arranjos e o o seu fluxo gerencial. Espera-se que os resultados apontem um caminho para o cumprimento dos objetivos, diretrizes e metas previstas pela PNRS, o que inclui, dentre outros, a responsabilidade compartilhada, a remediação de áreas degradadas pela disposição irregular de resíduos, a inclusão social de catadores e a preservação ambiental..

Equipe: Elfany Reis do Nascimento Lopes - Coordenador / Marconi Vieira da Silva - Integrante.
 
Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.
 
 
Nome: Degradação ambiental e suas relações com doenças emergentes e infecciosas
 
Período de realização: 2020- atual.

Linha de Pesquisa:  Saúde e Geoprocessamento.

Descrição: 

A mesorregião sul da Bahia, que se intercala com a área de mata atlântica mais preservada do Estado, é uma região territorial altamente carente em termos socioeconômicos e de saúde e alta degradação ambiental, convertendo áreas naturais e reduzindo a biodiversidade regional. Objetiva-se identificar e discutir as relações entre saúde e ambiente no domínio das notificações confirmadas das síndromes respiratórias agudas graves potencializadas pela degradação ambiental. Será construída uma base cartográfica com o perfil epidemiológico construído com acesso a base de dados de saúde TABNET da Secretaria Estadual de Saúde da Bahia a respeito das síndromes respiratórias agudas graves, além de um banco de dados ambientais com o mapeamento temporal de uso da terra, climatológica e focos de incêndio e queimadas entre 2009 a 2019 para a região Sul da Bahia. Os dados serão avaliados a partir da elaboração de modelos generalizados lineares mistos (GLMMs) e integrados com a realizada de uma revisão sistemática da relação saúde e ambiente. As informações serão organizadas em banco de dados e disponibilizada a gestão dos dados em saúde. Espera-se obter a associação entre fatores ambientais e doenças agudas, por meio da conclusão de que a degradação ambiental, especificamente entre as alterações do uso da terra e redução de áreas naturais, favorecem o crescimento de síndromes agudas respiratórias.

Equipe: Elfany Reis do Nascimento Lopes, Felipe Micali Nuvoloni  e GionCarlos Silva Moreno.
 
Instituição de origem do projeto: Universidade Federal do Sul da Bahia.


 

 

registrado em:
Fim do conteúdo da página