Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

[CSC] Estreia do espetáculo "Mainha" - curso Artes do Corpo em Cena/CFA

Publicado: Quinta, 05 de Dezembro de 2019, 15h15 | Última atualização em Quinta, 05 de Dezembro de 2019, 16h17 | Acessos: 1250

IMG 9988O que: Estreia do espetáculo "Mainha" - curso Artes do Corpo em Cena/CFA

Quando: 09/12/2019, às 20h30

Onde: Espaço da OCA/Corpo, Campus Sosígenes Costa, Porto Seguro

  

A Bahia foi o estado que abrigou os primeiros cursos superiores de dança e teatro em 1956, passo fundamental para o desenvolvimento das artes da cena em nível regional e nacional. Em 2019, o Centro de Formação em Artes da Universidade Federal do Sul da Bahia tem o prazer de anunciar a estreia do espetáculo da primeira turma do curso Bacharelado Artes do Corpo em Cena, voltado para a formação do(a) intérprete do teatro e da dança no território Sul e Extremo Sul da Bahia. Mainha é o espetáculo resultante do Projeto do Laboratório de Montagem Cênica das alunas e dos alunos do curso Artes do Corpo em Cena, da UFSB. A montagem teve como ponto de partida a obra Olhos D’água, de Conceição Evaristo, e foi “livremente chorada” a partir das águas que da obra reverberam nas linhas do corpo, nos becos da memória e nas próprias vivências dos(as) participantes do processo de criação.

“Mas afinal, de que cor eram os olhos de minha mãe?”. A pergunta que ecoa do livro foi o mote para um mergulho rumo à superfície e às profundezas dos olhos de nossas próprias mães, com tudo o que trazem de passado, de peso, de absurdo, de trauma, de alegria, de luta e de escrevivências. A tessitura do espetáculo reúne o mergulho de cada intérprete nas águas dos olhos de suas mães e o resultado de tudo o que emerge dessa submersão traz as cores de nossos terreiros, quintais, dores e formas de contar. A gestação poética do trabalho inclui o repertório dançante, cantante e atuante de cada uma das mães que, no espetáculo, são as protagonistas das narrativas e vivências compartilhadas.

Mainha é um espetáculo que reúne ventre, útero, choro e grito. É um acalanto e também uma forma de agulhar omissões e silenciamentos cicatrizados nas saias e vestidos de tantas mães desse nordeste afora. Pode ser que, durante o encontro que o espetáculo promove, as águas dos seus olhos caiam. Mas quem é que consegue represar por tanto tempo? O elenco é composto por Natália Fróes, Vinícius Santos, João Victor Mendes, Mana Caiene, Luciana Lacerda, Karina Matias, Ione Maria, Verônica Medeiros e Marcos Farrapo Fernandes. A estreia do espetáculo será no dia 09 de dezembro, no espaço da OCA/Corpo, no Campus Sosígenes Costa, Porto Seguro/BA às 20:30 horas.

 

Texto e imagens por Eder Rodrigues da Silva

IMG 9533V IMG 9951  IMG 0058

registrado em:
Fim do conteúdo da página